domingo, 18 de outubro de 2015

Jiraiya, o Incrível Ninja Novamente - Shuriken Sentai Ninninger Ep. 34


Acabei de ver o episódio 34 de 手裏剣戦隊ニンニンジャー (Shuriken Sentai NINNINGER, algo como "Esquadrão Shuriken"), intitulado 伝説の世界忍者、ジライヤ参上!("Surge o Lendário Ninja Mundial, Jiraiya!"). Abaixo segue um resumo e impressões.

Obs.: contém detalhes sobre os rumos do episódio. Leia só depois de ver de fato.
Obs. 2: os termos e denominações referentes ao Jiraiya são os que foram usados na versão brasileira do seriado.

Atualização (20/10/2015): não existe "Kakured", mas sim "Ninja Red". Perdão, Megumi.

Acompanho Ninninger desde o começo e tenho gostado do seriado, cheio de situações inusitadas, comédia e ação. A participação de dubladores no elenco de vilões, o Clã Kibaoni, como Megumi Han (que foi a Cure Princess em Happiness Charge Precure!), fazendo o vassalo Kyuemon Izayoi e Kotono Mitsuishi (Sailor Moon) como Ariake no Kata, a esposa do chefe inimigo, Gengetsu Kibaoni, são outro grande atrativo para mim.

Outra característica do seriado é que os Ninninger se declaram "ninjas, mas que não se escondem nas sombras e que ao invés disso, eles barbarizam". São escancaradamente espalhafatosos, mas outro tema do seriado é a união familiar. São todos primos, sendo que dois são irmãos, o Akaninger, Takaharu Igasaki, o personagem principal, e a Shironinger, Fuuka Igasaki. Comicidade e ação, amor familiar, um ninja de vermelho espalhafatoso que tem uma irmã mais nova vestida de branco... Existe outro seriado de super heróis japoneses que se encaixa nesta descrição: Jiraiya, o Incrível Ninja, que foi exibido no Brasil pela Rede Manchete nos anos 1990 (e veja, ou se lembre como foi em uma matéria no Blog Sushi POP, valioso parceiro da Casa). E ele retorna para fazer uma participação especial em Ninninger.


O Retorno Triunfal... ou quase?

A história começa com o grupo enfrentando o Clã Kibaoni como de costume. Eles conseguem repelir o ataque dos vilões, mas nisso, surge um ninja desconhecido que os ataca. Um ninja com uma vistosa armadura vermelha.

Jiraiya, o Incrível Ninja, roubando a abertura
Jiraiya enfrenta os Ninninger por pensar que eles são ninjas de Izayoi, servos dos Kibaoni, que estariam atacando pessoas inocentes. Mas o engano logo é desfeito, Jiraiya/Touha se desculpa e eles fazem as pazes. Touha e Takaharu sentem uma simpatia  e logo se tornam amigos.

Tem direitinho a legenda com o nome como na época. A fonte é diferente, mas...
Admita. Você também já tentou fazer isso. Eu nunca consegui...
Os Ninninger levam Touha ao seu dojo, e vêem que o pai de Takaharu e Fuuka, Tsumuji, estava recebendo a visita de dois membros do "Comitê de Proteção da Honra dos Ninjas", que impõe restrições ao clã Igasaki pois sua luta com os Kibaoni estaria perturbando a paz e dando má fama aos ninjas. Nisso, eles notam algo estranho. O livro com as restrições é assinado por Jiraiya, que seria o chefe desse Comitê. Questionado, Touha diz que estava fugindo deles pois não queria ficar na área administrativa, mas sim na linha de frente. Ele foge junto com Takaharu para poder se livrar desse peso. Touha então confessa a Takaharu que sente que ser líder e comandar pessoas não é com ele.

Uma das cenas da fuga, uma referência à abertura do seriado clássico
Nisso, surge um Youkai Superior, o Konaki Jijii, que usa seus poderes para fazer os mais jovens carregarem os mais velhos nas costas. Jiraiya e Akaninger tentam impedí-lo, mas um acaba atrapalhando o outro, ambos são atingidos pelo raio do monstro e Jiraiya acaba ficando grudado nas costas do Akaninger. Os outros Ninninger logo chegam para ajudar e o monstro foge.

Konaki Jijii aparece novamente, mas desta vez, graças às instruções precisas de Touha, Takaharu consegue rechaçar o monstro e quebrar o feitiço. Takaharu ganha uma nova força, o Jiraiya Ninshuriken, que consegue trazer de volta a Espada Olímpica de Jiraiya. Os sete heróis lutam e eventualmente vencem o monstro.

O Olympic Laser (Jirai Buster) não é esquecido
No meio da luta, Touha percebe que sua missão agora é a de guiar as novas gerações. Por isso, ele resolve aceitar ser o presidente do Comitê e deixa com os Ninninger lições importantes, assim como a missão de combater o mal.


Episódio Divino! 

Touha/Jiraiya foi interpretado por ninguém mais ninguém menos que o próprio ator original, Takumi Tsutsui, que parece ter envelhecido muito pouco nesses últimos 27 anos. Apesar de ter se tornado o 35º sucessor da Arte Ninja de Togakure, ele continua o mesmo Touha de antigamente, um pouco impulsivo e até cômico. Mesmo assim, sua força não é nivelada, sendo que ele enfrenta os Ninninger de igual para igual. Ele só pára depois que percebe seu erro.

Um Herói de verdade admite seus erros e pede desculpas
E Touha é tratado como um Herói pelos Ninninger logo depois que descobrem quem ele é. O próprio pai de Takaharu fica eufórico ao vê-lo e depois de trocar um aperto de mão com o ninja lendário, faz uma cara de "nunca mais vou lavar esta mão".

Eu teria a mesma reação do Tsumuji.
Será que ele me dá um autógrafo?
O roteiro, de Kento Shimoyama, é simples, mas bem feito. Touha e Takaharu são muito parecidos e isso é mostrado de forma clara. Na primeira luta, eles têm desencontros e com isso acabam sendo derrotados, um aspecto que remete ao episódio clássico em que Jiraiya é derrotado por KanNin Dragon e o filho de KaNin Chang Kung Fu. Ou seja, até os pontos fracos de Touha são os mesmos da época, sendo que não existe distorção de personalidade do personagem.

No começo é assim...
Mas depois é assim
Na hora da revanche, o monstro Konaki Jijii usa ataques em supervelocidade. Nisso, Touha usa a "Consciência Olímpica" para prever os movimentos do monstro e dá a Takaharu instruções precisas para contra-atacar e vencer. Esta é uma habilidade bastante obscura do herói e somente quem viu o seriado poderia conhecê-la.

Você se lembrava dessa? Eu só percebi na hora.
Quando soube que Jiraiya ia voltar e que ele usaria a Espada Olímpica, ficava me perguntando como eles iam explicar isso, já que ela teve que ser abandonada pelo herói para salvar o mundo de ser destruído pelo Planeta das Trevas. Achei que ele simplesmente ia aparecer com a espada sem grandes explicações, mas eu estava errado. Fizeram direitinho uma cena em que ele recupera a espada e a empresta para Takaharu, que por usa vez consegue assumir sua forma Chouzetsu. Eu já achava essa forma bem parecida com o Jiraiya e ficava imaginando se isso não era um sinal para a sua volta. Provavelmente não era, mas pelo menos o herói apareceu de novo.

Eu quero um desses!
Outra grande sacada foi a escolha do monstro. O mais óbvio seria um Karasu Tengu, que era o motivo dos ninjas inferiores dos inimigos de Jiraiya, a Família de Feiticeiros. Mas ao invés disso, usaram o Konaki Jijii, que é uma espécie de "encosto" que pesa nos ombros de suas vítimas. Touha no começo é relutante a assumir funções administrativas e seu desejo é o de ficar lutando na linha de frente. Mas ao ficar incapacitado, grudado em Takaharu, ele percebe que pode comandar e com isso guiar os mais novos, se conscientizando de sua missão daí por diante.

O tratamento dado ao Herói foi o mesmo dado aos Ultras clássicos quando eles apareciam em Ultraman Mebius. Senti isso na abertura especial, em que o narrador conta que "Há 27 anos havia um Ninja Lendário que enfrentou a Guerra dos Ninjas do Império: Jiraiya". Depois de ver o péssimo tratamento dado ao Ninja Red e ao Hurricane Red em um episódio anterior, não botei muita fé, mas desta vez foi diferente. Jiraiya simplesmente tomou conta do pedaço, com os mesmos movimentos e até as mesmas músicas da série clássica. Não só o tema de abertura, mas também são usadas as músicas de fundo para cada situação.

A estrutura do episódio também remete à série clássica, com o "convidado da semana" revendo suas ações e assumindo uma nova atitude no final, o que aconteceu nesse caso com o próprio Jiraiya. Foi uma verdadeira volta ao passado. Me senti como se estivesse nessa época de novo.

Passando a missão para as novas gerações.
Eis um exemplo de um bom episódio com participação especial de um personagem lendário. Jiraiya vem e deixa um legado para os mais novos, exatamente como deve ser um encontro entre heróis do passado e do presente. Este é um episódio que eu vi que foi feito com espírito, por alguém que era fã da série clássica ou que pelo menos a viu inteira e a entendeu. Esse episódio é para ninguém botar defeito. Se você é fã da série clássica e ainda não viu (ignorando o meu aviso no começo), não perca tempo. Vá ver agora mesmo!

Ah, eu pretendo comprar o brinquedo do Jiraiya Ninshuriken se ele sair. As vendas dos Ninshurikens do Ninja Red e do Hurricane Red não foram boas, sendo que é possível encontrá-los encalhados a preços reduzidos e por isso talvez o do Jiraiya seja de venda exclusiva pela Premium Bandai. Mas vou dar um jeito de conseguir. E também o Blu-Ray que contenha esse episódio. Quem sabe isso faça eles verem que o Jiraiya ainda desperta interesse.

Herói é herói, não importa a idade!

Nos Bastidores

Existem várias curiosidades e episódios sobre a filmagem. Takumi Tsutsui conta em uma matéria que ao participar do especial para vídeo Dekaranger 10 Years After, ele comentou em tom de brincadeira com a equipe de filmagem que seria legal fazer um "Jiraiya 30 Years After". Semanas depois, ele ouviu que ia fazer participação como "convidado da semana" em Ninninger, e achou que ia ser um personagem menor, mas ao receber o roteiro ficou surpreso ao ver que ia ser o Jiraiya.

Tsutsui também conta uma coisa que aconteceu na cena em que era carregado nas costas. Durante os ensaios, Shunsuke Nishikawa/Takaharu Igasaki acabou tropeçando e caindo com Tsutsui em cima dele, ralando o joelho. Parecia ter doído muito, mas Nishikawa não reclamou de nada e continuou fazendo a cena. Tsutsui se admirou com essa atitude do jovem ator de fazer o show continuar.

De acordo com notas da página oficial da Toei, o uniforme preto com o símbolo do Bujinkan que Touha usa é o mesmo da época e foi resgatado do depósito da Toei. O mais incrível é que coube direitinho. Ainda, Tsutsui já conhecia o seriado Ninninger e teria visto muitos pontos em comum com o Jiraiya, como por exemplo o fato deles serem ninjas chamativos.

O diretor Noboru Takemoto se esforçou bastante na refilmagem das cenas em que Jiraiya veste a armadura e no golpe fatal. Também houve um cuidado para representar cenas da abertura, com o herói balançando em cordas e deslizando por um escritório, assim com a cena em que ele pula sobre dois caminhões. A intenção foi a de mostrar algo que os fãs do seriado iriam gostar e aprovar. Ele conseguiu.

Remake!
- Sucessor de Togakure!
- JIRAIYA!
- NÃO O PERDÔO!
- ESPADA OLÍMPICA!
- GOLPE FRONTAL!
A sequencia é totalmente refeita, usando técnicas e tecnologias atuais!
A passagem do Legado!
Até o efeito do inimigo atingido pela espada é igual ao original!
Um dos membros do Comitê de Proteção da Honra dos Ninjas é interpretado por Hideaki Kusaka, lendário dublê que veste a fantasia (armadura?) dos robôs de Super Sentai desde Denziman, de 1980. O ator Yoshi Sudarso, que interpreta Koda, o Blue Ranger em Power Rangers Dino Charge, e também é fã de Super Sentai, faz uma participação especial no começo do episódio como uma das pessoas atacadas pelos Kibaoni. Se contarmos que no episódio ainda temos a Ariake no Kata (Kotono Mitsuishi, bem à vontade no papel), vemos que o elenco é bem luxuoso.

Na cena final, Kinji Takigawa, o Starninger, diz a frase "I AM A sansei de gozaiyasu!" (acho que ele quis dizer "Eu aprovo!"). Isso é uma referência a uma frase do Barão Owl, personagem da série clássica que falava intercalando partes em inglês (com alguns erros), um aspecto que desapareceu na dublagem brasileira. 

As lições que Touha deixa no final na verdade não existiam no roteiro original. Esses eram ensinamentos que ele ouviu de Masaaki Hatsumi, o Grande Mestre da Arte Ninja de Togakure e que fez o papel do pai de Touha, Tetsuzan, no seriado clássico.

Todas as glórias ao nosso Herói!
Um ponto interessante é que a produtora Naomi Takebe comenta nas notas do preview do episódio que a ideia surgiu na primavera, quando alguém disse de brincadeira que seria legal colocar o Jiraiya para fazer uma aparição no seriado. Será que esse alguém é......?

12 comentários:

  1. Eu ainda não comecei a ver Ninninger, mas a presença do Jiraiya me fez ver o episódio ao vivo (coisa que não costumo fazer - sou antiquado, não consigo ver nada no computador).

    Minha conexão não me permitiu ver como eu gostaria, mas dá para dizer que o staff fez a lição de casa direitinho pesquisando a série. BGM´s, duas cenas da abertura refeitas dentro do episódio, a personalidade do Toha... enfim, tudo isso deu um gostinho especial para os fãs da série.

    Confesso que o combo "música de abertura na hora da batalha + BGM da Espada Olímpica + instrumental de Shinobi 88" me fez vibrar como a criança que acompanhava as aventuras de Jiraiya na Manchete no distante mês de outubro de 1989.

    Vale destacar também a atuação do Takumi Tsutsui, ele continua muito carismático.

    Digam o que quiserem de Kamen Rider Decade, mas essa série foi o responsável por abrir as possibilidades de trazer antigos personagens de volta - até então só havíamos tido esse gostinho em Gaoranger vs Super Sentai e Boukenger vs Super Sentai. Fora disso, tínhamos reimaginações de personagens clássicos em uma nova roupagem, como os longas de Hakaider, Kamen Rider - The First e The Next.

    Gokaiger seguiu a fórmula, a melhorou imensamente e abriu definitivamente o portão para o passado - quem imaginaria ver Kenji Ohba voltando a interpretar Gavan, seu personagem mais icônico, novamente?

    E como a cultura pop como um todo está surfando na onda da nostalgia - como demonstram o retorno de Harrison Ford, Carrie Fisher e Mark Hamill a Star Wars, bem como o grande número de séries há muito canceladas que estão voltando do limbo, tais como Arquivo X, Twin Peaks, Full House entre outras, acredito (e torço) para que não pare por aí.

    Agradeço a você, Usys, pelo texto e pelas informações dos bastidores do episódio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é que agradeço, Ricardo.

      Acabei fazendo esta matéria na empolgação depois da euforia de ver o episódio e também porque queria que mais gente soubesse do que aconteceu nos bastidores. E mais uma vez digo. Quem fez esse episódio gostava da série. Não tem outra explicação. Ou tem grande sensibilidade, já que captou a essência de Jiraiya.

      Realmente foi em Decade que a Toei passou a explorar esse filão. Não era novidade, já que isso era visto em Ultraman Mebius, da Tsuburaya, e mais antigamente nos jogos Super Robot Wars, da Banpresto. E a Toei já tinha feito um experimento nesse sentido no curta de cinco minutos de Precure All Stars em 2008, que daria origem às séries de filmes a partir de 2009. Mas em Decade a coisa foi meio irregular, já que não deu para chamar muitos dos atores originais. Em compensação, finalmente houve um cross over com Super Sentai.
      As coisas melhoraram em Gokaiger. Aí pegou! O retorno triunfal de Gavan foi tão espetacular quanto este episódio de Ninninger. Pena que em Super Hero Taisen Z esculhambaram com o personagem.

      O pessoal que faz Super Hero Taisen precisa fazer estágio com a Tsuburaya ou com o pessoal que faz Precure All Stars. Esses sabem como se faz, sem distorcer personalidades, dando destaque a todos os personagens (ou ao máximo deles possível) e sempre tentando trazer o elenco original. No caso, o roteirista tem que voltar à época em que ele fazia Precure...

      Excluir
  2. Fala Usys 222 ! Tudo bem ? mais uma excelente matéria com informações extras !! show !! Esse episódio do ninninger me surpreendeu ! não acompanho a série pois não sou fã dessas séries mais novas...só assisti pelo Jiraiya mesmo ! que sou fã da série ! a participação dele foi épica ! superou minhas expectativas !!!! foi um presente esse episódio....para min as melhores homenagens foi em Ultraman Mebius ! mas essa do Jiraiya não fica atrás.....Vou querer esse episódio para guardar !!! Até a próxima !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Ultra Ace Jack.

      Acompanho Ninninger desde o começo e tenho gostado bastante. A série é cheia de ação e bom humor. Kamen Rider Drive foi muito bom e Ghost também tem sido bem divertido. O Onari em especial é muito engraçado! Gosto das séries mais novas, que acho que são muito legais e eu não tenho perdido um capítulo delas desde Kamen Rider OOO.

      O DVD e o Blu-Ray com esse capítulo devem sair em março no Japão. Tenho que juntar grana até lá. Só quero saber quando vão lançar o Jiraiya Ninshuriken. E tenho expectativas com relação à Tamashii Nation 2015 do dia 30/10 a 01/11.

      Excluir
  3. Olá, Usys! Assim que fiquei sabendo que Jiraiya teria uma participação de luxo em Ninninger fiquei muito, mas muito empolgado! Não esperava que a Toei fosse resgatar um herói de 27 anos atrás que não chegou a fazer tanto sucesso quanto os Uchuu Keijis ou alguns Sentais/Riders da época. Conforme as informações iam vazando sobre esse episódio, mais aumentava a minha empolgação: Takumi Tsutsui revivendo o personagem, BGMs originais da série, cenas clássicas da abertura... Minha expectativa era altíssima. Aí quando vi, você já tinha postado esse incrível review.
    Assisti ao episódio e não me decepcionei! Tivemos uma homenagem e tanto para esse herói tão querido por todos nós! Ver Jiraiya em ação depois de tantos anos foi algo verdadeiramente emocionante. Não sei dizer qual das cenas me arrepiou mais, pois o episódio é carregado de constantes homenagens. Algumas delas eu só me dei conta depois de ler seu post aqui: não tinha percebido, quando vi a cena pela primeira vez, que o efeito de explosão do monstro era o mesmo usado na série clássica. Até esses detalhes estiveram presentes!
    Outra coisa muito bacana foi o "retorno" da Espada Olímpica. Como vc mesmo disse, o que mais se esperava da Toei era vê-lo usando a espada normalmente sem maiores explicações. Mas não! Eles respeitaram o final da série e brindaram os fãs com um "nexo". Como eu queria que a Toei fizesse mais disso e com esse mesmo cuidado.

    Tá vendo! Os fãs não são tão chatos e ranzinzas assim! Basta fazer episódios épicos como esse que todos ficam felizes. Eu, particularmente, fiquei muito! =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Bruno Seidel!

      É bom quando fazem a coisa com sentimento e põem bastante serviço na coisa. E agora que a espada voltou, dá margem a mais uma participação em algum especial. Ou quem sabe até um novo filme ou minissérie.

      Mesmo assim, ainda sinto que os fãs de tokusatsu daqui não tem muita receptividade às séries atuais. Percebo que muita gente nunca viu Ninninger e só pegou esse episódio exclusivamente para ver o Jiraiya, ignorando os heróis titulares, que também são muito bons. O Kinji é um dos meus favoritos e o time tem uma boa interação.

      Não sei o que veem de errado nos seriados de agora (se é que há alguma coisa). Os tempos mudam e com isso as séries também acabam mudando. Acho que aceitar, ou ao menos entender essas mudanças é o primeiro passo para se curtir essas séries. Li uma entrevista com o produtor Atsutoshi Umezawa, que foi bem instrutiva. Trata-se de alguém cujo ramo é o desenho animado, mas muito do que é dito por ele se aplica às séries atuais, como a estrutura básica, e ajuda a entender como são as coisas agora.

      Mas no fim, cada um deve decidir o que fazer por si mesmo. Gosto das séries mais antigas, mas nada me impede de curtir as atuais também. E até acho algumas das mais novas melhores.

      Excluir
  4. Respostas
    1. Ah, sim. Eu já tinha corrigido. Megumi ficou bem chateada por ter escrito errado o codinome do pai dela.

      Mas obrigado de qualquer jeito!

      Excluir
  5. impressionante como o tempo passou mais aqueles seriados continuam os melhores,com a tecnologia que ha hoje uma releitura da queles heróis seria os melhores seriados que teríamos hoje,melhor que os filmes da Marvel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, anderson inacio!

      Não diria "melhores". "Tão bons quanto", talvez. Os americanos têm muitos recursos financeiros e tecnológicos ao seu favor. Por outro lado, os japoneses têm criatividade para improvisar. Tanto os americanos quanto os japoneses têm seus pontos fortes e fracos e valorizo ambos.

      Excluir
  6. O capacete do Jiraya, da pra se ver que não é o mesmo da época.
    Me parece que é um outro material, talvez seja pra ficar mas leve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita, Anderson!

      Bom ver que a aplicação de técnicas e tecnologias atuais se extendeu aos materiais das roupas. Ainda bem, porque parece que a armadura original não cheirava nada bem devido ao uso excessivo. Ouvi dizer que esse traje original foi trazido para o Brasil para ser usado em circos-show. Ou será que estou confundindo com outro seriado?

      Excluir